20 de setembro de 2010

Pedal debaixo d'água

Sol, água, música animada e ... exercício.É nesse clima que o hidrospinning, modalidade que chegou bombando no mundo fitness, envolve os praticantes nos 30 minutos de aula.

A atividade é praticada numa bicicleta especial para ambientes subáquaticos. O método é baseado no spinning convencional, embora na água a alta intensidade dos movimentos proporcione sensação de esforço muito menor. A diferença entre os dois tipos de exercícios é que o aquático pode ser feito por qualquer pessoa. Entre os benefícios para os praticantes, estão a queima de gordura, a melhora no sistema circulatório, a resistência muscular e a diminuição dos riscos de lesões.
Desenvolvido na Itália em 1998, o hidrospinning tem sido cada vez mais praticado no Brasil. O exercício não provoca tanto impacto nos joelhos e nas articulações como o spinning tradicional e trabalha o corpo inteira - tanto os membros superiores como quanto os inferiores. Segundo o professor de hidrospinning João Luis Martins da Silva, antes de aderir ao esporte o aluno deve passar por avaliação física, como é feito com as demais atividades. O teste serve para analisar a condição e para traçar os objetivos a serem alcançados.
De acordo com o professor, a principal meta dos praticantes - reduzir as medidas - é garantida para quem realmente se dedica à modalidade. O treino é feito para que a frequência necessária para queimar gordura seja atingida.
- É aí que muitas pessoas pecam. Uma corridinha no parque, mesmo que regular, não vai eliminar a gordura se a frequência ideal não for alcançada. Aqui não usamos a palavra caloria. O que o aluno perde é gordura mesmo.
Embora o principal objetivo seja o de perder os quilinhos a mais, a modalidade tem sido remédio para uma série de necessidades, inclusive emocionais.
- Tenho alguns alunos que chegaram com problemas de obesidade e até depressão. Eles encontraram no exercício uma forma de espairecer, é um ambiente agradável - diz João Luis.
Segundo o professor, alguns alunos com lesões ósseas, articulares e musculares também praticam .
- Um dos alunos da turma não tem a patela e alcança ótimos resultados.
De acordo com o fisioterapeuta Felipe Amapuzzi, pessoas lesionadas devem consultar um especialista antes de praticar o exercício.
-É claro que varia muitos de cada caaso,mas, no geral, é necessário que o paciente se recupere bem para que comece a praticar a modalidade. Embora o impacto seja menor, o esforço, continua - explica.
Para o especialista, o hidrospinning é interessante para quem está apto ao exercício porque exige mais esforço, por ser feito dentro d'água.
O equipamento necessário para a prática do exercício é uma bicileta feita para funcionar com a pressão da água, que custa cerca de R$ 4.000,00. Daí o motivo de a atividade não ser oferecida por muitas academias. A bike, mais leve que a tradicional, é feita de material anticorrosivo para suportar o cloro da piscina. Algumas exigem que o praticante use tênis ou sapatilha especial durante a aula.
O que melhora com a prática do hidrospinning:
O sistema circulatório é intensificado pela pressão hidrostática
Fortalece membros inferiores e superiores, como braços, pernas e glúteos.
Diminui os riscos de lesões.
Trabalha o condicionamento cardiorespiratório, a resistência muscular e o controle da composição corporal.

Um grande abraços a todos
Melo

Nenhum comentário:

Postar um comentário